domingo, 30 de novembro de 2008

a força das coisas.:. a coisa das forças


não fosse Matisse, quem haveria de trazer as linhas de força para a pintura? eu sei, bem sei e você também sabe bem, que ele não foi o único e nem o será. falo das forças no sentido nietzscheano (e não do “falo” das forças, rs.), e Matisse, leitor de Nietzsche, soube “encontrar forças” no conceito de forças que o 2º bigodudo mais simpático de todos os tempos cunhou. (o 1º bigodudo a você(s) leitor(es) pouco importa. talvez ele saiba que estou falando dele, apesar de que muito provavelmente ele não lerá estes rabiscos.). pintar paredes, romper formatos, forçar as formas e form-atos, o pintor de paredes experimentou as sensações vigorosas de sair da moldura, do modelo, rachar as coisas, extra-vazar as texturas e desfrutar de linhas de fuga criadoras de um sem-número de possíveis. eis a coisa das forças.

Um comentário:

Marcelo Kraiser disse...

Olá!
Obrigado por adicionar um link para o meu blog.Acompanharei com carinho o (new)_nomadology!
abraço do Marcelo Kraiser