sábado, 26 de fevereiro de 2011

Nunca vi um albatroz de perto, nem mesmo de longe.


Nunca vi um albatroz de perto, nem mesmo de longe. No máximo vi imagens de albatrozes em algum documentário televisivo, pela internet afora ou em revistas. Logo, eu não seria capaz de escrever sobre albatrozes, não sou um expert no assunto. Posso no máximo escrever com(o) um albatroz quando voa, traçando uma espécie de “line of flight”, conforme Deleuze e Guattari, deixando-me guiar pelo animal de vôo alto e extrema dificuldade em aterrissar. Uma escrita alba-atroz, que decola com dificuldade, deslocando-se no ar com velocidades lentas e rápidas, às vezes mais rápidas do que o vento no qual desliza e se desloca, até a aterrissagem sem jeito, ou um outro nome para a queda.

Encanta-me em especial o Albatroz-errante. Ave dentre as que apresentam maior envergadura e grande poder de vôo. Possuem uma habilidade particular ao voar, a de conseguirem deslizar muito perto da água, sem tocar as ondas, numa espécie de surf voador sem prancha, mas com as sensações que as ondas transmitem ao corpo vibrátil da ave. Ave que voa tal como um planador, embora não seja apenas empurrada pelas correntes de ar, e assim atravessam grandes distâncias. Os albatrozes chegam a atingir velocidades bem mais rápidas do que o vento e possuem bastante autonomia de vôo.

Planar no caso dos albatrozes é encontrar uma saída para voar, pois se eles tentam bater as asas, acabam encontrando muita resistência do ar devido à grande envergadura e com isso perdem forças e facilmente se cansam, aumentando os riscos de uma queda fatal.

A decolagem de um albatroz constitui um espetáculo curioso, pois tal como um avião, eles precisam de uma ampla área de fuga, que funciona como uma pista de decolagem, de preferência localizada em um terreno inclinado e com maior incidência de ventos, para aumentar as velocidades. Eles ficam posicionados no topo de um declínio e de lá começam a correr, esticando bem as asas, lançando as patas, uma após a outra, em um ritmo que você pode dizer de antemão que se caracterizaria pela mais completa falta de ritmo. Como pode isso? Esse movimento charmoso, combinado com algumas batidas das asas, geralmente faz com que eles voem. Geralmente, pois alguns albatrozes chegam a planar a poucos centímetros do chão e a cair algumas vezes antes de estabelecerem um pleno vôo.

Para pousarem na água os albatrozes usam principalmente suas patas, que possuem membranas "entre os dedos", funcionando como pás a escavar a água. Eles tocam com suas patas na água amenizando os atritos de uma reterritorialização. Quando a aterrissagem se dá em terra, eles usam suas caudas e patas como freios, tal como os instrumentos de pouso de um avião. Cada volta a um território exige um funcionamento do corpo e de sua maquinaria em reterritorialização. Não são raras as vezes nas quais os albatrozes se aproximam do local de pouso rápido demais, apressadamente, um erro de cálculo que faz com que eles se tombem de modo assaz desajeitado, batendo com o peito, o bico e as demais partes do corpo no chão, levantando poeira, um tremendo desastre! Daí a pensarmos que o albatroz não sabe aterrissar num mundo de atrocidades, mas ele atinge o chão mesmo assim.

5 comentários:

Luiz Carlos Garrocho disse...

O texto me remeteu à história de Ryszard Cieslak, um dos maiores atores do teatro experimental, parceiro de Grotowski (http://bit.ly/eLkG8a). Cieslak, depois que se incendiava - mil velas acesas no seu corpo, diria Eugênio Barba - custava a aterrizar. O "albatroz" começava a fumar sem parar, esperando que aquele estado-platô se desfizesse e pudesse voltar ao cotidiano prosaico.
Aterrizar é difícil. Talvez mais do que voar - que já é uma arte, de fuga!

Loja Virtual disse...

Fala cara! Já conhece nosso blogue?

É feito para todos aqueles fazem música, mostre para seus amigos!

http://palheteria.blogspot.com/

Nos siga, também, no twitter!

@palheteria

Abraços!

Cabaré Romântico disse...

Penso que em meio às minhas tempestades existênciais, aterrizar é quase uma tortura... uma espécie de prisão sem posibilidades de ser livre.

Um beijo.

Ana.

rfelipe disse...

Garrocho:

interessantes referências que você menciona, vou procurá-las... abraços e obrigado pela visita.

Cabaré Romântico (Ana):

tal como um albatroz então... segue voando, minha querida.
Um beijo

rfelipe disse...

Loja Virtual:

Cada máquininhas sonoras incríveis as que vocês oferecem... bom saber.
Abraços e obrigado pela visita. divulgarei!